LAGARTA DO PINHEIRO OU PROCESSIONÁRIA

O que é a lagarta do Pinheiro?

A lagarta do pinheiro ou processionária (Thaumetopoea pityocampa) é assim denominada devido à forma como as lagartas se deslocam da árvore para o solo, parecendo que vão em procissão. É uma praga vulgar em Portugal tendo como principal hospedeiro o pinheiro (manso ou bravo).

Os adultos, que se apresentam como borboletas de cor acastanhada, fazem as posturas nos raminhos das árvores durante o Verão e ao fim de trinta a quarenta dias eclodem as jovens lagartas.  O ciclo da lagarta do pinheiro divide-se em duas fases: fase adulta (ovos e lagartas – fase em que vivem nas copas dos pinheiros) e a fase de pupa (fase subterrânea em que se encontram no solo – pode ter a duração de 1 a 3 anos.

O grau desse mesmo desenvolvimento depende das condições climatéricas existentes. Invernos secos e com céu descoberto aceleram o ciclo o que faz com que em dezembro/janeiro, já tenhamos lagartas no chão.

Em que altura do ano nos devemos preocupar?

Entre janeiro e maio as lagartas abandonam o pinheiro para se enterrarem no solo e continuar o seu desenvolvimento (5º estádio). Esta fase é caracterizada por uma intensa alimentação e que termina com a descida do ninho e da árvore pelas lagartas já maduras em direção ao solo. Essa descida é feita em “procissão” e  entre agosto e setembro nascem as lagartas.

Porque é que devemos ter cuidado com esta lagarta? Qual é o perigo?

Estas lagartas, devido aos seus recetáculos com pelos urticantes, são bastante nefastas pois injetam substâncias tóxicas na pele ou mucosas provocando reações de hipersensibilidade, que podem causar necrose (morte) ou até mesmo ser fatais.

É perigoso para todos os animais?

É perigosa tanto para cães como para as pessoas. As crianças e os cães são os principais afetados devido à sua curiosidade e às brincadeiras no solo.

Quais são os sinais clínicos?

Os sinais clínicos variam consoante a zona que esteve em contato com a lagarta. Por norma afeta mais o focinho (lábios, língua, nariz) mas podem também afetar esófago e estômago no caso de ingestão, provocando necrose dos tecidos. A perda de tecidos nas zonas necróticas ocorrem entre 6 a 10 dias depois da exposição.

Os principais sinais clínicos são:

  • Inchaço do focinho;
  • Salivação;
  • Vómitos;
  • Comichão intensa;
  • Urticária;
  • Apatia;
  • Perda de apetite;
  • Dificuldade em engolir;
  • Dificuldade em mastigar;
  • Alterações oculares, estes podem ficar com uma tonalidade azulada (devido ao edema), fobia à luz, prurido ocular, conjuntivite e úlcera da córnea;
  • Choque anafilático;
  • A língua é o órgão mais afetado, uma vez que, é o órgão mais utilizado pelo cão para a exploração da lagarta (sabor e textura). Numa fase inicial esta pode aumentar de volume, torna-se azulada, podendo à posteriori necrosar (morte dos tecidos), de cor amarelada ou preta.
  • Os sinais sistémicos apesar de serem raros são eles: choque anafiláticos, tremores musculares podendo levar ao coma e à morta;

O que devo fazer em caso de contato com a lagarta do pinheiro?

É uma situação de urgência e como tal necessita de auxílio do Médico Veterinário! Podem ser feitas limpezas com soro fisiológico para remover os pelos urticantes, sempre com cuidado para não ter contato com eles. A comichão é outro dos sintomas e é essencial que o animal não se lamba, para não haver disseminação dos pelos urticantes para outras regiões do corpo;

Qual é o tratamento?

Quando há suspeita de contato com a lagarta do pinheiro, os cães devem ficar em regime de internamento, com medicação para controlo da reação alérgica e outras possíveis alterações. Para além da fluidos, utilizam-se anti-histamínicos, adrenalina, corticosteróides e antibióticos.

Como posso prevenir que o meu cão entre em contato com a lagarta?

Sempre que possível durante o período de janeiro a maio, evitar zonas com pinheiros;

Sempre que passe em parques manter o animal à trela de maneira a não permitir que o cão fareje ou apanhe coisas do chão;

Em caso de dúvidas, não hesite em contatar-nos.